Este lugar vai ser o seu companheiro na divisão de Mambos e Problemas. Makas também são aceitaveis. Todo e qualquer problema poderá encontrar alívio aqui. Envie toda a sua carga para aqui. Não se iniba. Divida connosco o que o(a) apoquenta.

AngoProblemas

PROBLEMAS NA COMUNIDADE

 

 O Gatuno

PROBLEMAS EM CASA

PROBLEMAS NO TRABALHO

PROBLEMAS NA COMUNIDADE

PROBLEMAS COM AS AUTORIDADES

PROBLEMAS DE SAÚDE

PROBLEMAS NA ESCOLA

PROBLEMAS PESSOAIS

PROBLEMAS POLÍTICOS

PROBLEMAS INTÍMOS

PROBLEMAS ENTRE NAMORADOS

PROBLEMAS PEQUENOS

PROBLEMAS DE GRANDE DIMENSAO

PROBLEMAS COM VIZINHOS

APENAS PROBLEMAS

OUTROS PROBLEMAS

 

Eram cinco horas de uma tarde de sabádo. Helder estava ouvindo o relato do futebol. Enquanto celebrava a vitória da sua equipa, chegou o amigo Armando. “Epa, vem comigo visitar a casa da minha dama no Zangado ” – convidou. “Qual dama ? Desde quando arranjaste dama no Zangado  ? A Rosa nao mora no Rangó ? “ Perguntou. “Epa, tenho uma dama no Zangado. Começamos a namorar a dias. Epa, tenho de aparecer senao sabes como é, ela pode pensar que só apareço por interesse. Vem comigo porque é um lugar novo para mim, e nao é bom ir sozinho.” – Pediu Armando.  A contra sua vontade, Helder aceitou acompanhar o amigo, na condiçao de nao se demorarem, alias o zangado nao era um lugar muito kanawa em termos de criminalidade.

Sairam assim do bairro operário onde viviam e pegando um taxi na rua Conêgo Manuel da Neves chegaram em poucos minutos a Estrada da Brigada e depois a rua onde morava a namorada de Armando. A rua era uma tipíca de um bairro luandense. Esburacada e com um amontoado de casas dos dois lado da rua. A aquela hora, com o sol já se escondendo e a escuridao tomando conta do dia, a rua continuava bem movimentada, com rolettes vendendo cerveja e pinchos de carne, moças com propósitos diferentes encontravam-se em todas esquinas. Umas vendendo bebidas, outras trançando cabelos e ainda outras perfumadas e com saias curtas estavam a espreita de alguém que lhes prestasse alguma atençao romântica.  Num raro espaço vago, rapazes dos seus 12 a 16 anos jogavam a bola aproveitando os últimos raios do rei sol .

Quando estavam a cerca de 2 minutos da casa da namorada de Armando, Helder disse-lhe: “Epa, como vais falar com a tua mboa, eu ficarei aqui a espera. Vê se nao te demoras. Vou ficar aqui a observar o trumuno destes rapazes e espero-te aqui mesmo”. “ Nao há problemas. Vou e volto num instante” – prometeu Armando. E depois de indicar a casa da namorada ao amigo foi-se.

 

A medica e o bilingueiro

 

Helder observou de pé os jovens jogando hábilmente a bola. Cinco minutos depois, cansado de ficar de pé, dicidiu encostar-se a casa ao lado para melhor acomodar-se e descansar. A casa, destas com janelas nao muito altas tinha várias pessoas dentro. Helder ao encostar-se nela, tocou na janela que consequentemente abriu-se. De repente deu de caras com um grupo de gente lá dentro olhando para ele com ar ameaçador. Helder tentou desculpar-se e quiz entao fechar a janela. De dentro ouviu-se uma voz gritando: “Gatuno !” . Helder viu-se de repente rodfeado por um grupo de gente dirigindo-se ameaçadoramente para ele. Os que sairam de dentro de casa rapidamente e os que dá rua ouviram os gritos de “Gatuno !”.  Preocupado tentou explicar-se, mas em vao.  Sentiu o rosto receber um golpe. Tentou proteger-se cobrindo o rosto e a cabeça com as maos. Recebeu outro golpe. Tentou explicar que nao era gatuno. Nao lhe deram tempo, nem ouvidos. Caiu sobre a pressao de vários golpes. Levantou-se e copmeçou a correr, sem compreender muito bem para onde se dirigia. Conseguiu correr alguns metros, seus perseguidores no entanto aproximavam-se. Um deles pôs-lhe o pé a frente. Helder caiu. Uma chuva de pontápes, socos e pedras vieram em sua direicçao. Estava completamente desorientado. Caiu várias vezes. Ofegante, sangrando e cambaleando ainda tentou correr de novo. Pegaram-no e alguém gritou: “Vamos queima-lo!”. A multidao gritou de júbilo. Apareceu um pneu de carro. Puseram-no no pescoço de Helder. Sabia que havia de morrer, da pior maneira possivel. “Porque Armando, nao aparecia ? “ Perguntava-se. Tentava falar, ninguém ouvia. Fogo foi ateado ao pneu. Sentiu um calor intenso e uma dor insuportável. Pensou em sua mae. Como queria te-la ai agora. Arrependeu-se profundamente de ter ido a aquele lugar miserável. Sentiu o fogo copnsumir sua carne. De tanta dor perdeu os sentidos. Uma pedra atirada da multidao veio dar fim a sua vida jovem.

Armando, no entanto, depois de uma hora na casa da namorada, voltava para pegar o amigo e irem para casa. Pensando em que desculpa dar ao amigo pela extensiva demora apressou-se em chegar ao local combinado. Nao o encontrando dirigiu-se mais a frente onde havia um aglomerado de pessoas gritando , achando que talvez fosse um altercaçao entre vizinhos a que o amigo dicidira presenciar. Ao lá chegar foi-lhe contado que um gatuno tinha sido queimado. Olhou a sua volta a ver se conseguia ver Helder. Nao o achando acabou ouvindo a conversa sobre como o suposto gatuno   fora apanhado. Preocupadissímo aproximou-se do cadaver. Seu coraçao quase lhe saiu pela boca quando deu-se conta que Helder tinha sido morto naquela noite. Começou aos gritos e choros. A namorada e os familiares desta vieram ao seu encontro. De repente a rua ficou deserta, com os envolvidos na morte do inocente Helder pondo-se ao fresco ao se aperceberem da maldade que tinham feito. Helder fora vitíma  de um povo violentissímo que normalmente procura fazer justiça com suas proprias maos.  Quantos nesta Angola já nao morreram assim ?

 

Resultado:

Mais um homem inocente morreu. Quantos nao sao mortos em situaçoes similares, sem o benéficio da dúvida e o direito a se defenderem ?

 

Sugestoes:

 

·         Nao faça justiça com suas maos. Deixe que a policia e os tribunais cuidem dos assuntos.

·         Caso apanhe um gatuno, se possivel leve-o ao posto  policial mais próximo, caso contrário busque ajuda para mante-lo sob controle enquanto se espera pela chegada dos policiais.

·         Em situaçoes de violência chame 113, a policia vai poder ajudar a resolver a situaçao.

·         Se ouvir alguém ser acusado de gatuno, cuide-se para você nao se envolva no assassinio de gente inocente.

·         Mesmo em situaçoes que exijam justiça, lembre-se de que a pessoa pode estar inocente. Chame rapidamente a policia.

·         Acima de tudo nao mate pessoa. É crime contra a humanidade e contra Deus.