Este lugar vai ser o seu companheiro na divisão de Mambos e Problemas. Makas também são aceitaveis. Todo e qualquer problema poderá encontrar alívio aqui. Envie toda a sua carga para aqui. Não se iniba. Divida connosco o que o(a) apoquenta.

AngoProblemas

PROBLEMAS NA COMUNIDADE

PROBLEMAS EM CASA

PROBLEMAS NO TRABALHO

PROBLEMAS NA COMUNIDADE

PROBLEMAS COM AS AUTORIDADES

PROBLEMAS DE SAÚDE

PROBLEMAS NA ESCOLA

PROBLEMAS PESSOAIS

PROBLEMAS POLÍTICOS

PROBLEMAS INTÍMOS

PROBLEMAS ENTRE NAMORADOS

PROBLEMAS PEQUENOS

PROBLEMAS DE GRANDE DIMENSAO

PROBLEMAS COM VIZINHOS

APENAS PROBLEMAS

OUTROS PROBLEMAS

 

 

O Barulho que vêm do recinto desportivo junto a Sistec

 

Domingo, final de fim de semana. Eram 10:00 da noite. A musíca barulhenta mantinha a vizinhança acordada. Música altissima misturada com a voz do DJ impediam os moradores do Maculusso ai Junto a Sistec de ouvirem até mesmo a voz dos seus aparelhos de TV. Conversar a mais de uma distância de poucos metros era quase impossivel. As portas de minha casa vibravam.  

Como eu e a esposa tinhamos de ir trabalhar na segunda feira, tentamos obter algum descanso dormindo. Impossivel. Nossa esperança era que a qualquer momento a civilização batesse a consciência dos donos do espectáculo musical e parassem a musica altissima. Pretensão gorada. Eram 11:30 quando meu filho de doze anos veio ao nosso quarto chorando.

“Papá não consigo dormir. Doi-me a cabeça. O barulho é demais”. Senti-me impotente e triste perante tal situação. Liguei para o 113. 5 minutos e três tentativas depois um jovem atende o telefone. Mostra-se atencioso mas sua voz e palavras não me inspiram confiança de que fará alguma coisa. Promote enviar um carro patrulha ao local. Peço-lhe encarecidamente que o faça. Minhas suspeitas confirmam-se, ninguém da policia aparece. Pego no jornal de Angola e abro na página com os telefones dos comandantes e esquadras locais. Ligo para o comandante responsável para a minha área. Desligado. Tento mais algumas vezes. Continua desligado. Ligo para a esquadra. Uma, duas, três vezes. Desisto. Ninguém atende aquele telefone.

Meu filho e eu, na sala esperamos que o espetáculo musical termina. Pego um copo de água e dou ao meu rapaz.

“Papá porque é que as coisas têm de ser assim nesta terra ? “ – meu filho pergunta. – “ Gostaria tanto que tivessem mais consideração pelos outros.”

“ É o que temos filho. Temos de aguentar e continuar a lutar contra actos anti-sociais” – É a minha resposta.  

Meia noite chega. A música continua. Uma hora da madrugada. A música continua. Eu e o meu pequeno sentados no cadeirão continuavam a espera que a civilização lhes batesse a porta. Acabamos adormecendo temporariamente enquanto sentados. Quando acordamos eram 2:00 da manha e a música tinha parado.

Recolhi o meu pequeno e levei-o a cama.  

As 05:30 estava acordado para preparar-me para a viagem para o local de trabalho. Meu filho acordou as 06:00 visto ter escola começando cedo na manhã. Doi-lhe terrivelmente a cabeça. Decidimos que não poderia ir a escolar sentindo-se mal.

Aproveito o ensejo para perguntar:

1-     Quem é o responsável pelo recinto desportivo junto a Sistec ?

2-     Porque sujeitam os moradores da área a tal trauma ?

3-     Onde anda a nossa policia que consistentemente ignora os anti sociais que nos tiram o sossego ? ( a cinco minutos a pé do local, junto a escola Nzinga M’Bandi, temos um posto policial. Acredito que deviam estar a dançar ao som da música )

4-     Onde anda o ministério da cultura que regulamentou a lei sobre poluição sonora e  ignora a sua implementação ?

Queremos desenvolver o pais, mas ao mesmo tempo não deixamos trabalhadores e alunos descansarem, ao passo que arruaceiros nos tiram o sono. Andamos em carros de alta potência, vivemos em casas com o ultimo grito da tecnológia electronica, vestimos fatos carissimos, queremos ser tidos e achados importantes mas no que é mais básico, o respeito pelo próximo, pelo vizinho, falhamos redondamente. Apelo aos que por dinheiro nos tiram o sono, alugando o campo desportivo colocado as instalações da Sistec, que parem de aluga-lo para assuntos de música, bebedeiras e barulho. Somos trabalhadores. Queremos descansar.